Critical Review: O Plano de Miss Fairbourne/The Surrender of Miss Fairbourne de/by Madeline Hunter

22:47:00 Catarina Ferreira 0 Comments



Versão Portuguesa                                                                  English Version

Versão Portuguesa

Queridos Leitores,
 
Madeline Hunter é a minha autora favorita de todos os meus autores favoritos. Foi ela quem escreveu um dos meus livros favoritos, Casamento de Conveniência, portanto é uma espécie de ídolo no mundo da literatura. Espécie porque não é a única.
 
Óbvio que não me desapontou, apesar de este não ser um dos seus melhores livros.
 
Emma é a filha de um dos recentes falecidos de uma casa de leilões, a Fairbourne’s. Estamos a falar do século XVIII por isso as mulheres não tinham poderes de herdade a não ser que estivessem casadas, o que não é o caso. A sua sorte, ou talvez não, é o, presumido, desaparecimento do seu irmão num naufrágio que nenhum o reportou como morto. Legalmente, a casa de leilões é dele. Pelo menos até ele voltar, Emma cuidara das tarefas. Se ele voltar...
 
Quando recebeu e começou a cuidar da contabilidade da casa de leilões, descobriu que a Fairbourne’s não era inteiramente do seu pai. Uma parte parcial pertencia a um conde, ao conde Southwaite.
 
Southwaite quer vender a sua parte devido a uma suspeita do seu antigo sócio estar envolvido num esquema de contrabando que a sua filha, Emma, ira dar continuidade ao legado do seu pai.
Dá-se o início a uma fria amizade, ou aliança.
Emma precisa de Southwaite para continuar com a Fairbourne’s e Southwaite precisa de Emma para descobrir se as suas suspeitas são verdadeiras. Bem, eles precisam um do  outro, mas não quer dizer que precisem de se dar bem.

“- Nunca se referiu à maravilhosa Miss Fairbourne. Era mais a irritante Miss Fairbourne e a exasperante Miss Fairbourne.”

Esta não foi uma leitura excitante ou entusiasmante que Madeline Hunter habituou os seus leitores. A história desenrola-se vagarosamente, introduzindo as personagens, que suponho eu, serão os novos heróis e heroínas dos romances desta série, uma vez que este é o primeiro do Quarteto Fairbourne.
 
O próprio romance desenrola-se devagar, existindo tempo para as picardias engraçadas entre um e outro, para se conhecerem melhor e para se apaixonarem. Apesar de, neste, esteve mais focado na parte misteriosa do contrabando do que no romance.
As grandes emoções, como sempre, estão perto do final.

 
“-Se planeia seduzir-me, talvez me possa chamar somente Emma.
- Na realidade, não pensei em muita coisa, durante os últimos minutos.”

 
Madeline Hunter coloca melodia nas palavras. Descreve cada parte com um notório pormenor que dá ao leitor a sensação que realmente estamos ali, a sentir e a ver. Por vezes, são passagens longas e maçadoras, mas, na minha opinião, é isso que a faz ser completamente diferente e notória de qualquer outro autor.

No entanto, se esta é a primeira vez que ouviu falar de Madeline Hunter, este livro não é o mais perfeito para começar. Talvez pela série os irmãos Rothwell ou Medieval, nas quais apenas 3 estão traduzidos para português: Casamento de Conveniência, O Protetor e Mil Noites de Paixão.

Para aqueles que já conhecem bem a autora, nada de novo.

De Madeline Hunter
Traduzido para português por Pedro Sequeira e Maria Pereira João Quina Edições
ASA
416 páginas
XOX
- Catarina Ferreira

English Version


Dear Readers,
 
Madeline Hunter is my favorite author from my favorite authors. She wrote the favorite of my favorite books, By Arrangement, therefore, she is kind of my role model in the literature world. Kind of because she is not the only one.
Of course, she didn’t disappoint me, even though this one is not one of her best works.
 
Emma is the daughter of the recent deceased owner of an auction house, Fairbourne’s. We’re talking about the XVIII century so women didn’t have any power of heritage unless she was married, which is not the case. Her luck, or not, was her, presumed, missing brother in a shipwreck that nobody gives him as dead. So legally, the action house is his. At least, until he comes back, Emma will take care of the cores. If he comes back…
 
When she receives and starts to take care of the accounting of the action house she finds out that Fairbourne’s wasn’t entirely of her father. A partial part was from an earl, the Earl of Southwaite.
 
Southwaite wants to sale his share because he suspects that his previous partner was in a smuggling scheme and his daughter, Emma, is going to continue her father legacy.
So a cold friendship, or alliance, begins.
Emma needs Southwaite to continue to have the Fairbourne’s and Southwaite needs Emma to find out if his suspects are real. Well, they need each other but it doesn’t mean that they will get along well.
 
“It was never the wonderful Miss Fairbourne. More the annoying Miss Fairbourne and the exasperating Miss Fairbourne."
 
This wasn’t a thrilled and excited story that Madeline Hunter got her readers used to. The story unfolds slowly, introducing new characters, that I suppose, will be the new heroes and heroines of the coming series, once this is the first book of the Fairbourne Quartet.
The romance itself also unfolds slowly, letting have the time for the funny burnings of one to another, to get to know each other and to fall in love. Even though, this one, is more focused on the smuggling part than the romance. 
The big emotions, as typical, came near the end.

“If you plane to seduce me, maybe you could call me only Emma." 
“In fact, I did not think about a lot during the last few minutes.” 

Madeline Hunter puts melody into words. She describes every piece with the notorious detail that gives the reader the sensation that we are actually there, feeling and seeing. Sometimes they are a little bit long and inconvenient, but, in my opinion, that’s what makes her different and so notorious from every other author.

However, if this is the first time that you heard of Madeline Hunter, this book is not the perfect one to start. Perhaps the Rothwell Brothers series or the Medieval Series are the best ones.

For those who already knows Madeline Hunter, nothing new.

The Surrender of Miss Fairbourne
By Madeline Hunter
Penguin Berkley Jove
328 pages
XOX
- Catarina Ferreira

0 comentários: