Critical Review: As Mulheres Casadas Não Falam De Amor/ Wife 22 de/by Melanie Gideon

17:00:00 Catarina Ferreira 0 Comments



Versão Portuguesa                                                            English Version

 

Versão Portuguesa

Queridos Leitores,
 
Quantos de nós sabe o que se passa nas vidas dos nossos amigos e família através das redes sociais? Já nem é necessário telefonar ou enviar um SMS. Basta aceder ao facebook. Aliás, basta fazer uma pesquisa no Google e obtemos respostas no momento sobre o que quer que seja.
 
Então e dizer o que se sente quando se está bem ou magoada com alguém? Porquê é que é mais fácil colocar na internet o que estamos a sentir em vez de simplesmente dizer à pessoa certa? Não apenas dizer, conversar.
 
Como muitas vezes acontece, procuramos sempre quem nos dê alguma atenção e compreensão e isso comprova-se à medida que lemos As Mulheres Casadas Não Falam De Amor.
 
Esta é a história de Alice, uma mulher de 44 anos, mãe de dois adolescentes, esposa há vinte anos e dramaturga numa escola primária a part-time. Assim que a história dá início, ficamos ao corrente de quão aborrecida Alice vive, principalmente com o rumo que o seu casamento leva.
 

“Queria ter uma conversa com o meu marido que conseguisse ser mais profunda do que apólices de seguros e impostos, do que as horas a que chegaria a casa e se tinha ligado ao homem para falar das goteiras, mas parecíamos encalhados naquele ponto, a flutuar à superfície das nossas vidas como miúdos numa piscina a boiar com aqueles canudos de esferovite”.


Até ao dia que recebe uma mensagem SPAM sobre um questionário acerca de mulheres casadas e decide submeter-se. Ok, à partida é apenas um questionário, mas assim que a troca de e-mails começa entre a “esposa 22” (pseudónimo durante o questionário) e o investigador 101, cedo se percebe que não é apenas uma troca de e-mails. Respostas ao questionário que mais tarde deixam de ser apenas respostas e viram conversas. De e-mails passam a contas anónimas de facebook, tornando as conversas frequentes, o que leva também ao leitor a alimentar a curiosidade sobre o que vai acontecer e o que deveria de acontecer se fossemos nós.

Através das respostas ao questionário temos acesso à história de como Alice e William se conheceram até às reações que ambos tinham antes e agora, o que deixava a Alice pensativa e analisava o seu casamento.
 

“William beijava-me profundamente durante os passeios. Fora do local de trabalho andávamos de braço dado ou com a mão dentro do bolso de trás um do outro. Agora via os casais, todos convencidos, aparentando não precisar de mais ninguém a não ser um do outro e doía-me olhar para eles. Era tão difícil acreditar que um dia tínhamos sido como esses casais, a olhar para gente como nós enquanto pensávamos: Se são tão infelizes, porque não se divorciam e pronto?”

A vida de Alice começa finalmente a levar um curso que esta prefere. Partilha, sem problemas, intimidades sobre o marido e quer saber e conhecer mais o investigador 101 e receber a sua opinião, ao que ela é correspondida. Após a publicação de uma foto com uma mão no facebook por parte do investigador 101, Alice pergunta-lhe o porquê dele ter partilhado aquela fotografia, à qual responde-lhe

“porque queria que a imaginasse pousada na sua nuca”

De repente parece que a personagem está a ser levada para uma daquelas típicas histórias horripilantes. Nada disso. Como qualquer pessoa, Alice deixa-se entusiasmar por algo fresco, uma novidade na sua vida, misturando a vida real com a vida virtual. O desfecho acaba por ser de realização, mas percetível a algumas páginas antes da confirmação.
 
Entre tudo isto, Melanie Gideon descreve todos os acontecimentos na vida de Alice, entre as visitas ao seu grupo de mulheres de luto (Alice perdeu a mãe que tinha exatamente a mesma idade que ela de momento), os jantares caricatos com amigos e as mudanças na vida dos seus filhos adolescentes. Tudo isto, sem falar das pesquisas que esta faz no Google e as leituras de estado dos seus amigos nos murais do Facebook. Não posso considerar que existam momentos monótonos durante a leitura. No entanto, algumas descrições são demasiado longas. Informação a mais desnecessária.
 
Melanie Gideon consegue passar uma mensagem forte e séria com uma ponta de comédia, transmitindo assim como as novas tecnologias entraram nas nossas vidas e como afetam o nosso dia-a-dia.
 
É uma boa história para se ler durante o verão e também o típico livro de se ler apenas uma vez. Haverá um filme baseado neste livro. Os direitos já foram vendidos mas o filme não sairá tão cedo.

De Melanie Gideon
Traduzido para português por Ana Mendes Lopes
Suma de Letras
459 páginas

XOX
- Catarina Ferreira


English Version

 
Dear Readers,

How many of us know what happens in our friends and family’s life through social network? It’s not even necessary to call or send a text message. Access facebook is enough. In fact, it’s enough to go to Google and we get the answer in the moment about whatever it is we are looking for.
 
So, what about telling what you feel when you’re not fine or hurt with someone? Why is it easier to put online what we are feeling instead of just say to the right person? Not only saying, talk.
 
As it often happens, we always search for someone who gives as attention and comprehension and that is proved while we read Wife 22.
 
This is the story of Alice, a 44 year old woman, mother of two teenagers, wife for twenty years and playwright at part-time in an elementary school. As the story starts, we are aware of how bored Alice leaves.  Specially, the course that her marriage is taking.
 

“I want to have a conversation with my husband that goes deeper than insurance policies and taxes and what time will you be home and did you call the guy about the gutters, but we seem to be stuck here floating around on the surface of our lives like kids in a pool propped up on those Styrofoam noodles.”

Until the day she receives a SPAM email about a study about married women and decides to apply. Ok, it’s only a study. But as the exchange of e-mails starts between “wife 22” (pseudonym that she uses while she answers the interrogation) and the researcher 101, soon it realizes that it won’t be just e-mails exchange. Answers to the study that later stops being only answers and begins to be conversations. From e-mails they pass to anonymous accounts of facebook, becoming the conversations frequently, which also leads the reader to feed the curiosity about what is going to happen and what should be happening if it were us.
 
Through the answers to the study we have access to the story of how Alice and William met each other until the reactions that both have nowadays, which left a thoughtful Alice and analyze her marriage status.
 

“William kissed me deeply on the sidewalk. Outside of work, we were either arm in arm or hands on each other’s back pockets. I see these couples now, so smug, appearing to need nobody but one another, and it hurts to look at them. It’s hard for me to believe that we were once one of those couples looking at people like us, thinking if you’re so damn unhappy why don’t you just get divorced?”

Alice’s life finally starts to leads a course that she prefers. Shares, with no problem, her intimacy with her husband and wants to know more about the researcher and his opinions, which she is corresponded. After publishing a picture with a hand on facebook by the researcher 101, Alice asks him why he shared that picture, which he answers
 
“Because I wanted you to imagine it on the back of your neck.”
 
Suddenly it appears that the character is being taken to one of those creepy stories. Nothing like that. As any other person, Alice allows to get excited for something fresh, by something new, mixing the real life with virtual life. The closer ends up to be a realization, but perceptive in a few pages before the confirmation.

Between all this, Melanie Gideon describes all of what is happening in Alice’s life, as in visits to her mourning group (Alice lost her mother that had the same exact age that Alice has now), the funny dinners with friends and the changes in her teenage sons’ lives. All this without mentioning the researches that she does on Google and her facebook’s status. I can’t say that are dull moments while reading. The problem is the full description of some moments, too longs. Unnecessary information

Melanie Gideon passes a strong and serious message with a bit of comedy, thereby transmitting how the new technologies came into our lives and affect us on our daily days.

It’s a good summer story and also the typical book to read just once. There will be a movie based on this book. The rights have been already sold but it will take a while.

By the way, in Portuguese the title is called “Married Women Don’t Talk About Love”.

Wife 22
By Melanie Gideon
Ballantine
386 pages
 
XOX
-Catarina Ferreira




0 comentários: